Alto Paraíso (Chapada dos Veadeiros)

Como chegamos

Voo do Rio de Janeiro, saindo do Aeroporto Santos Dumont (SDU), para Brasília, chegando no Aeroporto Internacional de Brasília — Presidente Juscelino Kubitschek (BSB), pela TAM (JJ3024), que durou aproximadamente 2 horas. Ao chegarmos lá, alugamos um carro na Unidas e fomos até Alto Paraíso (Chapada dos Veadeiros-GO), uma viagem de 230 km, aproximadamente 2:30 hs de duração, pegando a rodovia GO-118 logo que sai de Brasília.


Onde ficamos

Pousada Conquista do Paraíso – Rua Vergílio Rodrigues, 162 – Centro – Alto Paraíso de Goiás – GO
Faça sua reserva ou envie um email

Período: 7 dias / 6 noites (abril de 2015)

Nossa avaliação: Ótima pousada. Quarto bom, com ventilador e frigobar, TV e um ótimo banheiro. Café da manhã excelente com grande variedade de guloseimas. Os donos da pousada, Beto e Sônia, são ótimas pessoas e nos deixaram muito a vontade.


O que fizemos

1º dia: Chegada em Alto Paraíso e passeio pela cidade

Ao chegarmos próximos à cidade de Alto Paraíso tivemos um contratempo: o Google Maps nos mandou em direção à São Jorge, distrito que fica a 35 km de Alto Paraíso pela estrada GO-239. Já tínhamos percorrido quase um terço do caminho quando percebemos o engano e retornamos para Alto Paraíso.

Depois de deixarmos as malas na pousada, fomos até o supermercado mais próximo para fazermos umas compras, e foi lá que conhecemos um “grande companheiro” de caminhada: o Gergeliko, um biscoito de gergelim crocante muito famoso na região e que nos foi recomendado por um casal dentro do supermercado. Levamos vários pacotes além de outras coisas básicas. Depois que retornamos para a pousada, tomamos um banho revigorante e saímos somente para jantar numa pizzaria próxima, já que tínhamos viajado quase todo o dia e precisávamos descansar.

Brasil - Goias - Chapada dos Veadeiros - Alto Paraiso
Alto Paraíso

2º dia: Jardim de Maytrea, Vale da Lua e Raizama

Acordamos umas 7 horas da manhã já que o Beto, dono da pousada e nosso guia nas caminhadas, disse que sairíamos todos os dias às 9 da manhã. O dia amanheceu com um belo sol e, depois de tomarmos nosso café da manhã, saímos da pousada. Entramos na rua principal e o Beto pediu para pararmos em frente ao Chappada Hotel (que tem na frente um disco voador com ETs e tudo dentro), para explicar como se deu o povoamento deste lugar, principalmente durante a virada do milênio. Uma história e tanto !!!

Pegamos a estrada em direção à São Jorge e, uns 20 km depois, paramos no acostamento, passamos por uns pequenos arbustos e fomos conhecer o Jardim de Maytrea. Este lugar é conhecido por seu misticismo pois dizem que ali existe um grande campo de força magnética e um portal para outra dimensão. É um dos lugares mais fotografados da Chapada dos Veadeiros com seus belos campos, veredas e buritizais emoldurados por diversas montanhas no horizonte, entre elas o Morro da Baleia, também muito adorado pelos místicos que vão para lá em noites de lua cheia para meditar e se energizar. Ao retornarmos para o carro, o Beto pediu que fizéssemos uma tradição de quem vai ali: deitar na estrada e formar uma “mandala”. Como éramos apenas nós dois não ficou muito bem caracterizado mas vimos fotos bem legais com grupos maiores.

Brasil - Goias - Chapada dos Veadeiros - Jardim de Maytrea
Jardim de Maytrea

Saímos dali e pegamos novamente a estrada. Aproximadamente a 11 km de São Jorge pela rodovia GO-239, entramos numa estrada de terra do lado oposto ao Parque Nacional e paramos mais uma vez. Caminhamos uns 20 minutos numa trilha tranquila e chegamos ao Vale da Lua. O vale fica fora do Parque Nacional, na Serra da Boa Vista, e é um dos pontos mais visitados na Chapada dos Veadeiros. Caracteriza-se por um conjunto de formações rochosas cavadas nas pedras pelas corredeiras do rio São Miguel.

Brasil - Goias - Chapada dos Veadeiros - Vale da Lua
Vale da Lua

Caminhamos pelas formações rochosas até chegarmos na piscina natural mais frequentada do lugar. Começou a chover mas não foi o suficiente para não aproveitarmos este belo lugar de águas cristalinas e pequenas “hidromassagens” naturais.

Brasil - Goias - Chapada dos Veadeiros - Vale da Lua - Piscinas Naturais
Vale da Lua – Piscinas Naturais

Continuando nosso passeio, deixamos o Vale da Lua e fomos direto para Raizama, a 3 km do povoado de São Jorge. Paramos o carro e fomos caminhando até um estabelecimento de onde começa a trilha, que tinha até uma estrutura para shows muito peculiar, cuja decoração tinham as faces de Janis Joplin, Jimi Hendrix, Raul Seixas, entre outros. Chovia muito e enquanto aguardávamos a chuva passar um pouco caíram dois raios próximos de onde estávamos, um deles a uns 15 metros. Um casal que também esperava, nessa hora desistiu e foi embora.

Brasil - Goias - Chapada dos Veadeiros - Raizama
Raizama

Esperamos o susto passar e fomos. A caminhada durou umas duas horas de intensa chuva. Descemos e atravessamos o Córrego Raizama, que estava barrento devido à chuva, até chegarmos ao Salto do Raizama, onde o mesmo se encontra com o Rio São Miguel. Uma trilha muito peculiar em forma de “deck” permite um belo visual do Cânion do Rio São Miguel e acesso a poços para banho, mas que neste dia estavam impraticáveis devido à força das águas.

Brasil - Goias - Chapada dos Veadeiros - Corrego do Raizama
Córrego do Raizama
Brasil - Goias - Chapada dos Veadeiros - Salto do Raizama
Salto do Raizama

Depois de quase três horas de trilha, voltamos para o carro e retornamos para Alto Paraíso. No caminho, passamos pelo famoso Rancho do Waldomiro e paramos para fazer a primeira refeição do dia. Este rancho, na verdade, é uma pequena choupana com telhado de palha e algumas mesas bem em frente ao Morro da Baleia. Como era fora de época estava vazio, mas mesmo assim paramos o carro e entramos.

Brasil - Goias - Chapada dos Veadeiros - Rancho do Waldomiro
Rancho do Waldomiro

Ao entrarmos, vimos um cartaz com os diversos passeios da região e também uma bandeja repleta de licores artesanais de frutas típicas, como buriti, ananás, jatobá, pequi, sucupira, jenipapo tamarindo, cupuaçu, entre outras mais. Provamos algumas para abrir o apetite, que já não era pouco, e depois pedimos nosso almoço. Para nossa surpresa o dono, Seu Waldomiro, estava no estabelecimento e veio até nós. Uma pessoa muito simples e simpática, com seu chapéu característico, contou seus causos e sua história, bem emocionado, enquanto aguardávamos o almoço.

Pedimos o prato mais famoso: a Matula. Esse prato típico criado pelo próprio Seu Waldomiro é uma delícia, apesar de um pouco pesado. É ele que prepara e supervisiona tanto a matula como os doces vendidos em seu rancho. Depois de nos fartarmos (um prato deu para os três: eu, Bete e Beto), nos despedimos e voltamos para Alto Paraíso, prometendo voltar para comprar pelo menos uma garrafa de licor e um pote de doce.

Brasil - Goias - Chapada dos Veadeiros - Rancho do Waldomiro - Matula
Rancho do Waldomiro – Matula

3º dia: Cachoeira do Abismo e Janela

Acordamos cedo, tomamos o café da manhã e pegamos a estrada. Depois de aproximadamente 40 minutos, chegamos no início da trilha que fica num lugar conhecido por ser um mirante onde as pessoas vão ver o pôr do sol. Neste lugar tem uma espécie de “monumento místico” feito com tronco e galhos de árvore e uma grande pedra de cristal no meio. Dizem que é onde descem os discos voadores. É uma trilha tranquila onde encontramos diversas espécies de flores do cerrado como também cristais embelezando nosso caminho.

Brasil - Goias - Chapada dos Veadeiros
Chapada dos Veadeiros

Passamos pela casinha onde se paga a entrada e pode-se tomar uma água ou café e depois de uns 40 minutos de caminhada tranquila, chegamos na Cachoeira do Abismo. Um lugar belíssimo com uma cachoeira descendo pelo grande paredão de rocha e despencando num enorme abismo, sem falar no visual que se tem da Chapada dos Veadeiros. Ficamos ali por uns 40 minutos desfrutando deste visual e da refrescante cachoeira.

Brasil - Goias - Chapada dos Veadeiros - Cachoeira do Abismo
Cachoeira do Abismo

Seguimos nosso passeio até o próximo destino: o Mirante da Janela. Esta trilha tem uma peculiaridade que é o seu formato em “U”. Saímos de um lugar alto, descemos por uma trilha íngreme para depois subirmos até o mirante. Uma trilha um tanto cansativa mas recompensada pelas belas paisagens e pelo contato com a natureza. No caminho, encontramos um pessoal de uma TV do Sul perto de um riacho e foi onde aproveitamos para nos refrescar e até beber água nele.

Brasil - Goias - Chapada dos Veadeiros - Trilha Abismo-Janela
Trilha Abismo-Janela

Conforme vamos nos aproximando do nosso destino, a trilha começa a ter subidas mais íngremes e passa a ser um tipo de “escalaminhada”, um pouco caminhada e um pouco escalada. Chegamos no Mirante da Janela. Primeiro fomos num lugar um tanto estreito de onde tínhamos uma vista privilegiada da Chapada dos Veadeiros, com destaque para os Saltos do Rio Preto que visitamos quando fomos no Parque Nacional. Chegar até a beira para tirar fotos foi uma aventura mas valeu o sufoco.

Brasil - Goias - Chapada dos Veadeiros - Mirante da Janela
Mirante da Janela

Saímos da beira do precipício e fomos para um lugar onde pudéssemos desfrutar daquele belíssimo visual e também fazermos um pequeno lanche. A Bete e o Beto ainda desceram e foram num lugar bem legal de onde renderam algumas belas fotos.

Brasil - Goias - Chapada dos Veadeiros - Mirante da Janela
Mirante da Janela
Brasil - Goias - Chapada dos Veadeiros - Mirante da Janela
Mirante da Janela

Depois desta cansativa mas revitalizadora trilha, retornamos para a pousada, saímos para jantar e depois fomos descansar pois no dia seguinte teríamos mais aventura.

4º dia: Cataratas dos Couros

Mais um dia na Chapada dos Veadeiros. Durante o delicioso café da manhã ficamos observando o voo dos tucanos que por ali transitavam. Andando pelo quintal da pousada percebemos que eles tinham um lindo pomar, que a partir deste dia passou a fornecer algumas frutas para o nosso lanche de trilha. Saímos da pousada e meia hora depois paramos para admirar um bando de emas correndo pela vegetação.

Brasil - Goias - Chapada dos Veadeiros - Emas
Chapada dos Veadeiros – Emas

Mais adiante paramos numa pequena estrada para que o Beto nos mostrasse uma simbiose, que é uma relação mutuamente vantajosa entre dois ou mais organismos vivos de espécies diferentes, no caso dois tipos de árvores, uma palmeira e uma gameleira. No caminho até o nosso destino de hoje, percebemos muito animais, principalmente aves como araras e siriemas, e uma rica vegetação. Como tinha chovido muito no dia anterior, a estrada estava precária e por isso o Beto pilotou o nosso carro para que não tivéssemos surpresas desagradáveis.

Brasil - Goias - Chapada dos Veadeiros - Simbiose
Chapada dos Veadeiros – Simbiose

Chegamos ao nosso destino do dia: Cataratas dos Couros. Esta belíssima catarata é uma sequência de 4 quedas no Rio dos Couros e para percorrê-la precisamos descer por um trilha ladeando o curso do rio. Primeiro começa com uma trilha fácil, de aproximadamente 800 metros, que leva à Cachoeira da Muralha (20 metros), com bom poço para banho.

Brasil - Goias - Chapada dos Veadeiros - Cataratas dos Couros - Primeira Queda
Cataratas dos Couros – Primeira Queda

Saindo da primeira queda, são mais 900 metros de caminhada ao longo do rio, que tem ótimos pontos para banho, até a queda batizada de Almécegas 1000 (50 metros).

Brasil - Goias - Chapada dos Veadeiros - Cataratas dos Couros - Segunda Queda
Cataratas dos Couros – Segunda Queda

Outra trilha de 400 metros, bem íngreme, leva às outras cachoeiras com boas duchas e pontos de banho; e onde bate sol o dia todo. A trilha é acidentada, cheia de insetos e bichos, mas o contato com a natureza fez valer cada minuto de caminhada. A grandiosidade destas cataratas é de tirar o fôlego. Infelizmente não conseguimos mergulhar devido ao intenso volume d’água.

Brasil - Goias - Chapada dos Veadeiros - Cataratas dos Couros - Trilha
Cataratas dos Couros – Trilha
Brasil - Goias - Chapada dos Veadeiros - Cataratas dos Couros - Terceira Queda
Cataratas dos Couros – Terceira Queda
Brasil - Goias - Chapada dos Veadeiros - Cataratas dos Couros - Quarta Queda
Cataratas dos Couros – Quarta Queda

5º dia: Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros

Mais um dia de passeio na Chapada dos Veadeiros. Depois de recolhermos algumas tangerinas no pomar da pousada, saímos em direção à São Jorge. Próximo dali fica o Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, com suas 4 trilhas e sua rica biodiversidade. Chegamos no parque e enquanto pagávamos a entrada, ficamos sabendo que duas das quatro trilhas estavam fechadas: a das Sete Quedas e dos Cânions, devido ao grande volume d’água proveniente das chuvas. Escolhemos então fazer a Trilha dos Saltos por ser a mais longa acessível naquele dia e uma das mais bonitas do parque. Começamos a trilha e percebemos que o percurso é feito na maior parte do tempo em terreno acidentado e bastante pedregoso. Até chegarmos nas Corredeiras do Rio Preto, onde tomamos um banho nas hidromassagens formadas em suas pequenas quedas, avistamos lindas veredas e tivemos uma bela noção do verdadeiro esplendor da Chapada dos Veadeiros.

Brasil - Goias - PN Chapada dos Veadeiros - Trilha dos Saltos
PN Chapada dos Veadeiros – Trilha dos Saltos

Continuamos nossa caminhada, e depois de aproximadamente 4 km, chegamos ao Mirante do Salto de 120m do Rio Preto, de onde se vê a queda d’água do Rio Preto, lugar com uma belíssima vista deste espetáculo da natureza e onde aproveitamos para descansar e tirar umas fotos.

Brasil - Goias - PN Chapada dos Veadeiros - Trilha dos Saltos - Salto do Rio Preto 120m
PN Chapada dos Veadeiros – Trilha dos Saltos – Salto do Rio Preto 120m

Saindo dali, começamos uma caminhada por uma mata bem fechada e depois de 800 metros do mirante chegamos ao Salto de 80m do Rio Preto, onde foi possível tomar banho no rio, em uma área limitada devido ao nível e à força das águas. Um lugar belíssimo !!!

Brasil - Goias - PN Chapada dos Veadeiros - Trilha dos Saltos - Salto do Rio Preto 80m
PN Chapada dos Veadeiros – Trilha dos Saltos – Salto do Rio Preto 80m

Depois de uma hora de descanso e um revigorante banho nas águas do Rio Preto, retomamos a caminhada. Depois de uma subida íngreme de cerca de 800 metros e mais 1,5 km de caminhada, chegamos novamente às Corredeiras do Rio Preto. Paramos novamente para tomar um banho de rio. Dali até a portaria foram mais 3 km, e foi preciso ficar atento com o horário de fechamento do parque.

Brasil - Goias - PN Chapada dos Veadeiros
PN Chapada dos Veadeiros

Este foi o passeio em que mais tivemos problemas com insetos, principalmente um que foi uma companhia constante: a mutuca. Este inseto é insistente, não sai literalmente do seu pé e tem um ferrão enorme. Mas como o nosso guia Beto já tinha muita experiência, sugeriu o seguinte: conta até três e pimba !!! Menos uma mutuca. Saldo final da caminhada: Beto matou umas 50 mutucas e eu umas 20, sem contar a Bete.

6º dia: Fazenda São Bento e Cachoeira Almécegas

No nosso último dia de passeio pela Chapada dos Veadeiros, acordei indisposto pois não passei bem durante a noite. No café da manhã, falei com o Beto e ele disse que eram apenas as “coisas ruins” sendo eliminadas. Depois deste diagnóstico, resolvemos não ir tão longe e decidimos ir numa cachoeira que não tínhamos visitado no primeiro dia. Saímos da pousada e poucos quilômetros depois entramos na Fazenda São Bento, uma propriedade particular com trilhas e cachoeiras.

Depois de passarmos pela entrada, percorremos aproximadamente 3 km de estrada de terra e, depois que deixamos o carro, caminhamos por uma trilha de mais ou menos 1 km até chegarmos na Cachoeira Almécegas I. Paramos num mirante e ficamos observando esta belíssima queda d’água de um lugar privilegiado.

Brasil - Goias - Chapada dos Veadeiros - Cachoeira Almecegas I
Cachoeira Almécegas I

Depois de algumas fotos, descemos até as corredeiras e ficamos mergulhando e aproveitando este dia que poderia nunca acabar. Um lugar lindo e calmo tão próximo da cidade de Alto Paraíso.

Brasil - Goias - Chapada dos Veadeiros - Cachoeira Almecegas I - Mergulho
Cachoeira Almécegas I – Mergulho

Ao fim deste último dia de passeio na Chapada dos Veadeiros, fomos até o Rancho do Waldomiro. Neste dia estava cheio e por isso apenas compramos uma garrafa de licor e potes de doce de araticum. À noite, caminhamos pela rua principal de Alto Paraíso para conhecer suas lojinhas e artesanatos; depois jantamos na mesma pizzaria do primeiro dia.

7º dia: Fim da estadia

No nosso último dia em Alto Paraíso, tomamos um delicioso café da manhã junto com os donos da pousada. Beto e Sônia são pessoas simples e hospitaleiras que tornaram nossa hospedagem muito mais tranquila e agradável. Aproveitamos para levar um saboroso queijo minas e alguns pacotes de Gergeliko. Para finalizar, tiramos mais fotos para levar de lembrança deste lugar tão místico e inesquecível.

Brasil - Goias - Alto Paraiso - Pousada Conquista do Paraiso
Alto Paraíso – Pousada Conquista do Paraíso

Saída de Alto Paraíso para Brasília e depois um voo de Brasília para o Rio de Janeiro (TAM JJ3027).

Brasil - Goias - Chapada dos Veadeiros - Flores do Cerrado
Chapada dos Veadeiros – Flores do Cerrado

Dicas / Informações

A Chapada dos Veadeiros é uma região de cerrado no nordeste do estado de Goiás. Abrange cinco municípios: Alto Paraíso, Cavalcante, Colinas do Sul, São João D’aliança e Teresina e é cortada pelo paralelo 14. É conhecida por sua beleza natural e sua biodiversidade composta por uma rica fauna e flora. Nas trilhas entre serras e veredas, são inúmeros os atrativos turísticos como rios, cânions, cachoeiras, águas termais, etc. Possui 4 trilhas: a Travessia das Sete Quedas, a Trilha dos Saltos, Trilha dos Cânions e Trilha da Siriema.

  • Esta viagem foi feita com a agência UpAlegria Turismo. Tudo estava incluído no pacote, inclusive o guia exclusivo para o casal.
  • A matula é conhecida como a feijoada do cerrado e era a marmita dos tropeiros. Feita com feijão branco ou mulatinho, em forma de tutu, temperado com açafrão, e carne de sol, linguiça, porco e carne de lata. Pode ser servida na folha de bananeira acompanhada de paçoca de carne seca (farofa), mandioca frita, abóbora cozida, arroz e tomate.
  • Usamos um carro básico alugado durante todos os passeios que fizemos, mas se puder dê preferência por um 4×4.
  • Vale da Lua é um dos lugares imperdíveis da Chapada dos Veadeiros. Acompanha a Serra do Segredo com seu leito de pedras em formatos arredondados, lembrando o solo lunar. Não é necessário guia.
  • Raizama é onde o córrego Raizama forma uma hidromassagem natural para depois despencar num cânion de mais de 100 metros de extensão; em alguns pontos mais 50 metros de profundidade, percorrendo uma trilha esculpida nas paredes do cânion até as piscinas.
  • Na Cachoeira do Abismo as águas canalizam pelas fendas das rochas formando cachoeiras grandes e pequenas com piscinas de hidromassagem e vista panorâmica.
  • Cataratas dos Couros é um conjunto de quedas do Rio dos Couros, onde é obrigatório contratar guia e recomendável veículo 4×4.
  • O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros foi criado em 1961. Possui formações vegetais únicas, como o cerrado de altitude; centenas de nascentes e cursos d’água, rochas com mais de um bilhão de anos, além de paisagens de rara beleza. Foi declarado Patrimônio Natural da Humanidade pela UNESCO, em 2001. A caminhada e os banhos de cachoeira são as principais atividades no Parque, numa viagem pelo Cerrado brasileiro.

Links úteis

Locais Informações (valores de abril/2015)
Vale da Lua Localização: De São Jorge, a 10 km de estrada de terra; ou de Alto Paraíso, a 23 km de asfalto e 11 km de estrada de terra.
Distância/duração: 1,5 km, aproximadamente 1 hora (ida e volta)
Dificuldade: baixa
Ingresso: R$ 10,00
Raizama Localização:  a 3 km do povoado de São Jorge.
Distância/duração: 4 km, aproximadamente entre 2 e 3 horas (ida e volta)
Dificuldade: baixa a moderada
Ingresso: R$ 10,00
Cachoeira do Abismo e Mirante da Janela Localização:  próximo ao povoado de São Jorge.
Distância/duração: aproximadamente 7 km, entre 3 a 5 horas (ida e volta)
Dificuldade: até a Cachoeira do Abismo: baixa a moderada; todo o percurso: pesada
Ingresso: R$ 10,00
Cataratas dos Couros Distância/duração: aproximadamente 2 km, entre 2 a 3 horas (ida e volta)
Dificuldade: baixa a moderada
Ingresso: não há.
PN Chapada dos Veadeiros – Trilha dos Saltos Localização: no distrito de São Jorge, a 36 km do município de Alto Paraíso de Goiás
Distância/duração: 11 km, aproximadamente entre 4 e 6 horas (ida e volta)
Dificuldade: Saltos + Corredeiras: pesada; Só Corredeiras: moderada
Visitação:  de terça a domingo, de 8:00 às 12:00 hs e saída até às 18:00 hs
Ingresso: R$ 3,00
Fazenda São Bento e Cachoeira Almécegas Localização: próximo da Fazenda São Bento fica a Cachoeira de São Bento; uns 4 km depois ficam as Cachoeiras Almécegas I e II, todas no Rio dos Couros.
Distância/duração: aproximadamente 9 km de Alto Paraíso até a Fazenda São Bento; mais cerca de 3 km de estrada de terra e mais uma trilha de mais ou menos 1 km.
Dificuldade: baixa a moderada
Ingresso: R$ 20,00

2 thoughts on “Alto Paraíso (Chapada dos Veadeiros)

Deixe uma resposta