Punta Arenas

Como chegamos

Voo da TAM (LA 6044) do Rio de Janeiro (GIG) para Santiago (SCL) e depois um voo da LAN (LA 93) de Santiago (SCL) para Punta Arenas (PUQ). Iniciamos a viagem pegando um voo da TAM para Santiago. Logo no embarque, fomos avisados de que não daria tempo de pegar o voo para Punta Arenas, uma vez que o tempo para a conexão era de apenas 1:30 hs. Fizemos o check-in e foi colocado nas bagagens uma etiqueta de “hot transfer” e assim embarcamos.

Chegamos em Santiago e qual foi a nossa surpresa: percebemos que o “hot transfer” não tinha sido feito quando vimos nossas bagagens na esteira. Com isso, o tempo em pegar as bagagens, passar pela imigração e fazer o reembarque, até seria suficiente, se não fosse mais um imprevisto: quando chegamos ficamos sabendo que o término do horário de verão no Chile tinha sido transferido para abril. Conclusão: Perdemos o nosso voo, que sairia às 20:00 pm, mas pegamos o próximo, que saiu às 2:00 am. Saímos do Rio de Janeiro às 15:00 pm e chegamos em Punta Arenas às 5:30 am. Percebemos que a aventura estava só começando.


Onde ficamos

Hostal de la Patagonia – Bernardo O’Higgins, 730 – Punta Arenas – Chile
Faça sua reserva ou envie um email

Período: 5 dias / 4 noites (março de 2013)

Nossa avaliação: Boa pousada. Quarto bom, com boa cama, TV e frigobar. Café da manhã razoável. Boa localização (próximo de bons restaurantes).


O que fizemos

1º dia: Chegada à Punta Arenas

Chegamos às 6:00 am e como não perdemos a reserva do hotel, apenas algumas horas de sono, conseguimos dormir duas horas e meia, pois ainda tínhamos que pegar o carro para irmos para Puerto Natales. Punta Arenas é uma cidade portuária do Chile. Está localizada na Península de Brunswick e nas proximidades do Estreito de Magalhães, na Patagônia. Antes da abertura do canal do Panamá, em 1914, foi o principal porto na navegação entre os Oceanos Pacífico e Atlântico, por sua localização geográfica.

Depois do café da manhã, pegamos um táxi e enfim o carro, bom e muito novinho. No caminho decidimos passar pela Zona Franca. O lugar é enorme, com várias lojas, armazéns, tem de supermercado até duty free. Entramos numa loja chamada Sánchez & Sánchez, tinha de tudo lá dentro, muito legal.

Chile - Punta Arenas - Zona Franca
Zona Franca

Como voltaríamos à Punta Arenas no final da viagem, compramos apenas alguns mantimentos, alguns apetrechos para trilha e fomos em direção à Ruta 9, rumo à Puerto Natales.

Chile - Estrada Punta Arenas-Puerto Natales
Estrada Punta Arenas-Puerto Natales

2º dia: Retorno de Torres del Paine

Como chegamos no início da noite, estávamos muito cansados e, como já tínhamos feito um lanche em Puerto Natales, nem saímos para jantar e fomos direto para a pousada.

3º dia: Passeio por Punta Arenas e Zona Franca

Neste dia, como ainda estávamos com o carro, resolvemos que daríamos uma volta rápida pela cidade antes de entregá-lo. Antes de sair, reservamos o passeio que faríamos no dia seguinte: Islas Magdalena e Marta. Saímos da pousada e fomos até a “orla” do Estreito de Magalhães. Chegando lá, caminhamos, avistamos golfinhos e fotografamos a paisagem, onde dava até para ver Puerto Prat. O calçadão estava bem conservado e tinha até lugar para fazer exercícios. Em seguida, pegamos o carro e fomos até o Cerro de la Cruz, um mirante de onde se tem uma bela vista panorâmica da cidade e do Estreito de Magalhães.

Chile - Punta Arenas - Mirante Cerro de la Cruz
Mirante Cerro de la Cruz

Saímos dali e passamos pela rua principal e, logo em seguida, entregamos o carro. Como agora estávamos a pé, resolvemos ir num lugar que fosse próximo dali, e então paramos na Zona Franca. Como já falamos, um lugar enorme, muitas lojas e shoppings com muitas opções, mas não achamos nada que valesse a pena gastar, até porque os preços não estavam assim tão diferentes do Brasil.

Depois de almoçarmos, fomos até a Plaza de Armas. No entorno da praça, temos algumas construções interessantes, como a Casa España, a Prefeitura, o Palácio Sara Braun e a Catedral. Entramos na Catedral e ficamos para assistir à missa. Era um Domingo de Ramos, uma missa muito linda e animada. A Bete pegou o último ramo da caixa e o mesmo foi abençoado ao fim da missa.

Chile - Punta Arenas - Plaza de Armas
Plaza de Armas

À noite, saímos para jantar. Estava muito frio, e descobrimos que na rua do nosso hotel, bem na esquina, tinha um restaurante muito bom, que foi até indicado pela dona do hotel, o Restaurante & Emporio Okusa. Excelente !!! Tomamos pisco sour…claro, e comemos o king crab, ahh como é bom isso !!! Depois uma massa e em seguida fomos felizes dar uma caminhada na “orla” e depois para o hotel descansar.

Chile - Punta Arenas - Restaurante Emporio Okusa
Restaurante & Emporio Okusa

4º dia: Expedição ao Estreito de Magalhães – Islas Magdalena e Marta

No dia anterior tínhamos reservado um passeio para conhecer estas ilhas, que abrigam uma “pinguinera”, monumento natural, no meio do Estreito de Magalhães. Achamos caro e pensamos que o barco sairia ali do centro de Punta Arenas, mas não foi o que aconteceu. Pegamos uma van da empresa que nos levou até um ponto no continente mais próximo da ilha. Lá tinha um barco, ou seja, um bote adaptado nos aguardando, isso mesmo, um bote que tinha uma cobertura feita de canos de “pvc” para proteger os passageiros. Foi aí que eu entendi porque que no papel da reserva estava escrito “expedição”. Nossa, que aventura !!! A travessia foi rápida, aproximadamente uma hora, mas o barco chacoalhava para todos os lados, sem falar no frio e no vento…parecia que nunca chegava…foi realmente uma expedição !!!

Chile - Punta Arenas - Estreito de Magalhaes - Isla Magdalena
Estreito de Magalhães – Isla Magdalena

O Monumento Natural Los Pinguinos é uma área silvestre protegida do Chile e administrada pelo CONAF. Tem 97 hectares, onde 85 correspondem a Isla Magdalena e 12 a Isla Marta. É uma das pinguineras mais importantes do sul do Chile. Entre os anos 2001 e 2002, foi realizado um censo que registrou uma população de 60000 pinguins-de-magalhães. Lá também habitam outras espécies, como cormorões, gaivotas e lobos marinhos. Chegamos na Isla Magdalena e lá vimos muitos pinguins-de-magalhães, lindos, fedorentos e até cantantes, dentro de seus ninhos ou caminhando pelas trilhas. Andamos até o farol, que é o ponto mais alto da ilha, e depois voltamos para o barco.

Chile - Punta Arenas - Estreito de Magalhaes - Isla Magdalena
Estreito de Magalhães – Isla Magdalena
Chile - Punta Arenas - Estreito de Magalhaes - Isla Magdalena
Estreito de Magalhães – Isla Magdalena

Deveríamos conhecer uma outra ilha, Isla Marta, mas como o mar estava muito agitado, não conseguimos ir, apenas avistamos ao longe. Quando voltávamos pelo estreito, passamos por uma estrutura metálica que estava cheia de cormorões que ficaram sobrevoando o barco. Voltamos para Punta Arenas e passamos novamente pela Zona Franca. Entramos novamente no mega hipermercado Sánchez & Sánchez e depois voltamos ao hotel. À noite, fomos no mesmo restaurante do dia anterior e assim terminou nossa viagem por mais um pedaço da Patagônia. Muito pisco sour e king crab, e até a próxima aventura !!!!

5º dia: Fim da estadia

Saída de Punta Arenas (PUQ) no voo da LAN (LA 80) para Santiago (SCL), com escala em Puerto Montt. Depois pegamos um voo da TAM (LA 5965) de Santiago (SCL) para o Rio de Janeiro (GIG). Saímos de Punta Arenas às 10:00 am e chegamos no Rio de Janeiro às 23:40 pm.


Dicas / Informações

  • A Zona Franca é bem grande e tem bons preços para alguns artigos, como roupas e pequenas lembranças.

Links úteis

Locais Informações (valores de março/2013)
Islas Magdalena e Marta Preço: 45.000 pesos

Deixe uma resposta