Os Passos de Anchieta

Como chegamos

Voo do Rio de Janeiro (Aeroporto Santos Dumont – SDU) para Vitória (Aeroporto de Vitória – VIX), onde começam os Passos de Anchieta, pela GOL (aproximadamente 1 hora de viagem).


Onde ficamos

Cannes Palace Hotel – Avenida Jerônimo Monteiro, 111 – Centro – Vitória – Espírito Santo – Brasil
Faça sua reserva ou envie um email ou visite o site

Período: 2 dias / 1 noite (junho de 2015)

Nossa avaliação: Regular. Apesar da ótima localização, próximo ao ponto de partida, o quarto e o café da manhã são fracos.

Hotel Santorini – Rua Itaoca, 44 – Coqueiral de Itaparica – Vila Velha – Espírito Santo – Brasil
Faça sua reserva ou envie um email ou visite o site

Período: 2 dias / 1 noite (junho de 2015)

Nossa avaliação: Ótimo. Quarto confortável com TV a cabo, frigobar e ar condicionado. Café da manhã excelente.

Hotel Meaípe – Rua Izaltino Alves de Souza, 128 – Meaípe –  Guarapari – Espírito Santo – Brasil
Faça sua reserva ou envie um email ou visite o site

Período: 3 dias / 2 noites (junho de 2015)

Nossa avaliação: Bom. Apesar de ter um quarto confortável com TV a cabo, frigobar e ar condicionado, o serviço deixou a desejar. Para que conseguíssemos tomar o café da manhã antes de começarmos a caminhada tivemos que requisitar diversas vezes e conseguimos apenas no último dia.


O que fizemos

1º dia: Chegada em Vitória

Chegamos em Vitória e, logo depois de deixarmos as malas no hotel, saímos para jantar. Pegamos um ônibus e depois de uma pequena caminhada chegamos ao Shopping Vitória onde comemos no delicioso Outback. Assim que terminamos o jantar, pegamos o ônibus de volta para o hotel já que no dia seguinte começava nossa caminhada de quatro dias. Nesta viagem tive a companhia de um casal de amigos, Wanderley e Ana Lucia, já que minhas companheiras de viagem, Bete e Juju, ficaram doentes.

2º dia: Os Passos de Anchieta (dia 01) – Trecho Vitória-Barra do Jucu (24 km)

Acordamos bem cedo e depois de um café reforçado saímos em direção ao ponto de encontro. Os Passos de Anchieta inicia-se com uma missa às 7 horas da manhã na Catedral de Vitória. Após a bênção aos peregrinos e um leve aquecimento físico, deixamos nossas mochilas no caminhão de apoio e começamos a caminhada. Saímos da Catedral, passamos pelo Palácio Anchieta, caminhamos pela orla de uma enseada, passando pelas Ilhas do Urubu e das Cobras, até chegarmos num lugar onde pegamos um ônibus fretado até o Convento da Penha, em Vila Velha, marco da colonização do Estado e de onde se tem uma bela vista de Vitória, Vila Velha e da ponte que liga as duas cidades.

Brasil - Espirito Santo - Vitoria - Catedral Metropolitana
Vitória – Catedral Metropolitana

 

Brasil - Espirito Santo - Vila Velha - Convento da Penha
Vila Velha – Convento da Penha

Depois de visitarmos o Convento da Penha, e seguindo sempre pelo litoral, passamos por algumas praias, como a do Ribeiro, até chegarmos num ponto de apoio na Igreja de Santa Luzia. Depois de comermos algumas frutas e bebermos água, a rota continuou pelas praias urbanas de Vila Velha: Praia da Costa, Itapoã e Itaparica, com seus quiosques contrastando com os modernos edifícios. Vale citar aqui que tinham diversas pessoas montando os tapetes de sal no calçadão da orla, homenagem à Corpus Christi.

Brasil - Espirito Santo - Vila Velha - Praia do Ribeiro
Vila Velha – Praia do Ribeiro

Mais alguns quilômetros e chegamos na Reserva Ecológica de Jacarenema, uma área de proteção ambiental situada na Barra do Rio Jucu que possui uma vegetação de restinga de Mata Atlântica em bom estado de conservação. Ali tivemos o único contratempo da caminhada: um rapaz de moto que dava apoio aos andarilhos nos orientou a andarmos juntos pois tinham alguns pivetes de bicicleta roubando os peregrinos, mas graças a Deus nada aconteceu.

Brasil - Espirito Santo - Vila Velha - Reserva Ecologica de Jacarenema
Vila Velha – Reserva Ecológica de Jacarenema

Depois de 24 km de muito sol e reflexão, chegamos em Barra do Jucu, conhecida como paraíso do surf e das bandas de congo, e onde, após atravessar a Ponte da Madalena, termina o primeiro dia de caminhada. Como nosso hotel ficava na praia de Itaparica, também em Vila Velha, pegamos uma van até lá.

Brasil - Espirito Santo - Vila Velha - Barra do Jucu
Vila Velha – Barra do Jucu

À noite, saímos eu e Wanderley para jantar um delicioso beirute num restaurante na orla da praia de Itaparica, em Vila Velha.

3º dia: Os Passos de Anchieta (dia 02) – Trecho Barra do Jucu-Setiba (28 km)

Enquanto o primeiro dia se passa quase todo em área urbana, no segundo trecho as praias são praticamente desertas. Saímos de Barra do Jucu perto das 8 horas da manhã e algumas dezenas de metros depois começamos a caminhar pela praia. Uma hora e meia depois, voltamos a caminhar perto de umas casas e uma delas abriu seu quintal para que os peregrinos pudessem se refrescar e alimentar. Partindo dali e pouco mais de uma hora depois chegamos à praia de Ponta da Fruta, onde encontramos uma grande lagoa de água doce, a Lagoa Grande, um pouco antes de chegarmos em mais um ponto de apoio.

Brasil - Espirito Santo - Vila Velha - Barra do Jucu
Vila Velha – Barra do Jucu
Brasil - Espirito Santo - Vila Velha - Ponta da Fruta
Vila Velha – Ponta da Fruta

Continuamos e uma hora e vinte minutos depois chegamos em outro ponto de apoio, já na areia da praia, e foi quando nos orientaram que a partir dali não teríamos mais nenhum até o final do trecho, ou seja, se fosse para desistir teria que ser ali. Fomos em frente e entramos numa área de restinga, protegida pelo Parque Estadual Paulo César Vinha, antigo Parque Estadual de Setiba, nome dado em homenagem ao biólogo que lutou contra o extrativismo de areia na região, tendo sido assassinado devido à sua luta pela preservação da área. Apesar desse trecho ser considerado um dos mais bonitos, ele é também o mais cansativo, pois praticamente todo o percurso é feito na areia.

Brasil - Espirito Santo - Guarapari - Parque Estadual Paulo Cesar Vinha
Guarapari – Parque Estadual Paulo Cesar Vinha

Pouco antes de completarmos os 52 km de caminhada, encontramos uma lagoa de água doce onde paramos para nos refrescar. Ficamos ali por aproximadamente 40 minutos e depois caminhamos por mais 40 minutos até completarmos o percurso do dia. Depois de um rápido lanche, por sinal deliciosos pastéis de carne e queijo, pegamos uma van até nosso próximo hotel, já que nas duas próximas noites ficaríamos hospedados em Meaípe.

Brasil - Espirito Santo - Guarapari - Parque Estadual Paulo Cesar Vinha
Guarapari – Parque Estadual Paulo Cesar Vinha
Brasil - Espirito Santo - Guarapari - Praia de Setiba
Guarapari – Praia de Setiba

À noite, saímos para comer uma deliciosa picanha no restaurante Sabores da Carne, na praia de Meaípe.

4º dia: Os Passos de Anchieta (dia 03) – Trecho Setiba-Meaípe (25 km)

Este é com certeza o trecho mais bonito da caminhada. Guarapari, uma das cidades fundadas por José de Anchieta, é conhecida por suas praias de areias monazíticas que possuem efeitos benéficos à saúde. Começamos este trecho na praia de Setiba antes das 7 horas da manhã. Passamos pela praia de Santa Mônica até chegarmos ao local conhecido por Perocão, uma das aldeias mais antigas do Espírito Santo.

Brasil - Espirito Santo - Guarapari - Perocao
Guarapari – Perocão

Descendo uma trilha na encosta, chegamos na região conhecida por Aldeia e pelas Três Praias, em Guarapari. São enseadas caprichosamente desenhadas e emolduradas com pedras e ondas mansas. É uma região muito bonita com pequenas praias de águas límpidas onde os andarilhos passam caminhando pelas rochas das encostas. Neste trecho tinha um ponto de apoio em cima das rochas oferecendo café e biscoitos e onde ganhamos uma camisa de brinde.

Brasil - Espirito Santo - Guarapari - Tres Praias
Guarapari – Três Praias

Depois desta região de belas praias, nossa caminhada passou por diversas outras praias, entre elas: Cerca, Morro, Muquiçaba, Virtudes, Namorados, Castanheiras, Meio, Areia Preta, Pelotas, entre outras, sendo que estas praias são entremeadas por ruas e condomínios, mas grande parte da caminhada continua sendo feita pelas encostas. Na praia da Fonte ainda existe o Poço dos Jesuítas, ou Fonte dos Jesuítas, que eram poços naturais de água potável que, dizem, terem sido abertos pelo Padre Anchieta durante suas caminhadas para saciar a sua sede e a dos índios que o acompanhavam. Em outro trecho, na subida da Igreja de Nossa Senhora da Conceição, fomos recebidos por voluntários com caixas de sorvete, um mais gostoso que o outro, em mais um ponto de apoio do trecho.

Brasil - Espirito Santo - Guarapari - Praia de Muquicaba
Guarapari – Praia de Muquiçaba
Brasil - Espirito Santo - Guarapari - Praia de Pelotas
Guarapari – Praia de Pelotas

No final da caminhada, entre as praias de Riacho e Enseada Azul, pegamos um longo trecho de ciclovia ao lado da estrada debaixo de um sol escaldante. Este trecho quase nos derrubou antes da chegada na praia de Meaípe. Chegando lá, Ana e Wanderley foram relaxar na massagem mas eu estava tão cansado que fui para o hotel descansar.

Brasil - Espirito Santo - Guarapari - Praia de Meaipe
Guarapari – Praia de Meaípe

À noite, saímos para comer um delicioso peixe ao molho de camarão no restaurante Maremoto, na praia de Meaípe.

5º dia: Os Passos de Anchieta (dia 04) – Trecho Meaípe-Anchieta (23 km)

A última etapa da caminhada, de 23 km, alterna trechos onde caminha-se em praias desertas, rodovias e estradas de terra. Saímos da praia de Meaípe e caminhamos por aproximadamente duas horas, num sol escaldante, por um longo trecho de estrada. Na Rodovia do Sol, passamos por praias e lagoas, além do Porto de Ubu, até chegarmos na praia de Ubu. Neste lugar paramos em mais um ponto de apoio.

Brasil - Espirito Santo - Anchieta - Praia de Ubu
Anchieta – Praia de Ubu

Depois de caminharmos por aproximadamente uma hora, encontramos uma filial do Projeto TAMAR, na praia da Guanabara. Esta área apresenta grande incidência de desova de tartarugas da espécie Caretta. Depois de meia hora, chegamos na praia de Castelhanos, onde muitos esperam pelos que ficaram para trás para poderem percorrer os últimos quilômetros e subirem as escadarias do Santuário juntos. Nos últimos metros da caminhada fomos saudados com batidas e licores além de pétalas de flores e palmas.

Brasil - Espirito Santo - Anchieta - Ponta dos Castelhanos
Anchieta – Ponta dos Castelhanos
Brasil - Espirito Santo - Anchieta
Anchieta

O grande prêmio da caminhada é a visão da escadaria que leva ao Santuário Nacional São José de Anchieta. Esta é uma construção jesuítica de 1597 erguida pelo beato, em seu último ano de vida, com a ajuda dos índios tupis. É neste momento que temos a sensação de meta cumprida. É nessa hora que toda a solidariedade e superação envolvidas nestes dias fazem todo o sentido. Valeu muito !!!

Brasil - Espirito Santo - Anchieta - Santuario Nacional Sao Jose de Anchieta
Anchieta – Santuário Nacional São José de Anchieta
Brasil - Espirito Santo - Os Passos de Anchieta - Credencial
Os Passos de Anchieta – Credencial
Brasil - Espirito Santo - Passos de Anchieta - Mapa de Praias
Os Passos de Anchieta – Mapa de Praias

A saída de Vitória para o Rio de Janeiro foi das mais complicadas. Como nosso voo de volta era no fim da tarde, pegamos nossos certificados de conclusão da caminhada, almoçamos rapidamente numa lanchonete próxima ao Santuário e fomos pegar a van para o aeroporto. Só que não contávamos com duas coisas: um grande atraso do transporte e a quebra da van no caminho. Isto acabou ocasionando na perda do voo e, por consequência, acabamos voltando para o Rio de Janeiro de ônibus.


Dicas / Informações

  • Esta caminhada anual é promovida pela ONG ABAPA – Associação Brasileira dos Amigos dos Passos de Anchieta. É realizada sempre no feriado de Corpus Christi, beneficiando-se do feriado nacional, já que o percurso total demanda quatro dias. Os Passos de Anchieta é cumprido em jornadas diárias médias de 4 a 5 horas, por quem tem o hábito de caminhar regularmente, ou de 6 a 7 horas, pelos mais sedentários.
  • Este roteiro é marcado por aspectos ecológicos, históricos, religiosos e culturais. É o quarto desse tipo existente no mundo; os outros três são: os caminhos de Santiago de Compostela, na Espanha; a trilha da Terra Santa, em Jerusalém; e a de Roma, na Itália.
  • No início de cada trecho fica um caminhão guardando as mochilas dos andarilhos, que serão recolhidos ao final do trecho. Com isso o ideal é reservar pousadas/hotéis ao longo do percurso. É cobrado um valor para este serviço, que em julho/2015 foi de R$ 8,00.
  • A Abapa monta pontos de apoio, conhecidos como “oásis”, aos andarilhos em intervalos constantes. Neles são fornecidos água, frutas (principalmente maçã, banana e tangerina) e medicação para as câimbras, bolhas e torções. Na ocorrência de algum caso mais grave, há ambulâncias prontas para remoção de acidentados. Para aqueles que desistem, existe a possibilidade de pegar uma carona nos carros de apoio da organização.
  • Nos pontos finais de cada trecho existem até camas para massagem e relaxamento.
  • As credenciais devem ser carimbadas nos postos para que no fim do percurso o andarilho receba o certificado de participação. É preciso ter pelo menos metade dos 16 carimbos, para comprovar que o trajeto foi cumprido.
  • Referência: site da ABAPA

Links úteis